sábado, 24 de março de 2018

Estratégia para viver viajando após a independência financeira

Moro numa grande capital do Brasil e recentemente comecei um mochilão sozinho pelo país (devo falar mais sobre essa experiencia em outras oportunidades) e tenho visitado lugares que julgo muito bons para alguém desfrutar a independência financeira. Comecei pelo interior e automaticamente fui me direcionando para o litoral, onde me identifico mais por causa das praias, culinária, clima e esportes aquáticos.

Sempre tive em mente de que a cidade onde moro é um lugar para se “produzir dinheiro” e não para desfrutar. Tenho nessa cidade meu “marco zero”, onde tenho meu apartamento (quitado e mobiliado) em uma localização muito valorizada. Se por ventura eu o alugasse, me renderia entre 4.000 a 6.000 reais mensais.

Essa viagem está tendo três grandes motivações:
  1. Uma experiencia de como é viver independente financeiramente com minha TSR sem ter uma moradia fixa, ficando entre 1, 3 ou até 6 meses em um único lugar do meu agrado no Brasil ou em qualquer outro lugar mais barato ou com custo de vida equivalente.

  2. Refletir sobre a vida, sobre as minha motivações e encontrar um sentido mais existencial. Percebo que quando estamos num trabalho intenso ou num grande centro somos bombardeados por estímulos e corremos o risco de perder nossa própria essência. Já não sabemos se estamos indo para esquerda ou direita porque queremos ou se estamos sendo conduzidos sem nos dar conta.

  3. Encontrar um lugar que me identifique mais para viver e aproveitar mais a vida fazendo coisas que gosto como surfando, me alimentando melhor, com menor custo e maior qualidade de vida.



Começando pelo primeiro item, tenho mantido uma média alta de gastos por dia... Estou em ritmo de férias e com uma média diária de R$ 340,00. Acho bem elevado, mas acredito que esse seria bem menor caso fizesse isso de forma mais "profissional” e mais estável. Mas algo que venho percebendo é que não sou o estilo de “viajante roots” que fica em barraca, dorme na praça se necessário e fica extremamente confortável em um quarto compartilhado de hostel. Tenho mesclado diferentes tipos de hospedagem, desde hostel de 60 reais a diária, pousadas que variam entre 150 e 250 reais, e cheguei a ficar em um hotel de 500 reais por 1 dia e me dei o direito de jantar lagosta e degustar um bom vinho.

Um bom target para mesclar frugalidade e conforto estaria na casa dos R$ 250,00 por dia incluso estadia, alimentação e demais gastos. Eu saí de casa sem planejamento com uma mochila nas costas sem saber para onde ia e nem quando voltaria. Outro detalhe é que costumo ficar em média 3 dias em cada destino, o que me faz gastar mais com transportes já que me locomovo mais e com hospedagem já que não tenho margem de negociação. Nesse valor está incluso tudo, passagens, alimentação, hospedagens, passeios, lazer, farmácia, mercadinho, lembranças (que despacho pelo correio para não pesar na mochila), e todos os demais gastos dentro da viagem. Só está fora meus gastos fixos mensais: Plano celular, plano saúde, seguro carro, condomínio, IPTU, energia elétrica e Internet/TV a cabo.

No item 2 eu estou me surpreendendo pois essa experiencia está sendo muito enriquecedora. Saí de uma bolha onde tinha sempre os mesmos contatos, os mesmos assuntos e as mesmas preocupações para ver um mundo muito mais amplo, onde as verdades são relativas e cada pessoa busca um caminho diferente para si. Onde mais tive a oportunidade de experienciar boas histórias foram em hostel, com pessoas de todos os tipos, nacionalidades e motivações. Talvez nesse momento que escrevo eu ainda não tenha noção da quantidade de novas informações vou levar comigo para processar e refletir sobre o sentido que quero dar para minha vida.

O último item que se refere a encontrar um lugar para amarrar meu burro foi um dos principais pontos que me motivaram e escrever esse post. Tenho lugares que estou passando no litoral do nordeste com praias paradisíacas e algumas poucos exploradas. Parece que nosso R$ vale mais pois a vida da população é mais simples. Por exemplo, precisei ir no médico por causa de uma virose e meu mega plano de saúde de R$ 800,00 por mês aqui não valeu de nada já que fui num posto de saúde e atendido pela primeira vez pelo SUS.

Com a vontade de me fixar mais em um ponto vem um desejo de procurar terrenos para comprar, para construir uma casa na beira da praia e viver de forma “simples” e longe de todos aqueles estímulos massificados que encontramos nas grandes cidades. Mas no momento seguinte eu reflito... Não faz sentido pegar 100, 200, 300 mil reais para investir em um terreno (que por esse preço não será na beira da praia), e mais uns 200, 300, 500 mil reais para construir uma casa e me fixar definitivamente, ou mesmo construir um elefante branco pois amanhã posso querer estar em outro lugar.

Sempre pensamos... Ahh, mas pode ser que valorize no futuro. Certamente em um paraíso como esses, daqui 10 anos estará bastante valorizado. Mas acredito que os preços de terreno no Brasil estão bastante inflacionados e tudo agora parece que custa 1 milhão. Se todo lugar que eu gostar e quiser morar eu tiver que comprar um terreno / casa / apartamento eu transformarei todos meus recursos líquidos em imobilizados. Tenho dificuldade, mas tudo indica que o melhor é ter uma vida livre e “usufruir” do que os outros imobilizaram, mantendo todo o ativo liquido e gerando renda a partir de investimentos e tendo a liberdade de ir e vir.

Acho que por estar próximo dos 40 anos a minha geração foi bem a transição entre os que acreditavam que ter bens é o negócio mais sensato e seguro, e entre a geração Z que já tem esse conceito de que o mais importante é usufruir e não necessariamente ter.

———

Para se aprofundar no assunto, recomendo a leitura do post Dinheiro, vida livre ou imobilizada do blog Clube dos Poupadores. Frequentemente releio para reforçar esse conceito de que devo continuar investindo bem e tendo uma TSR saudável.

domingo, 31 de dezembro de 2017

Onde mora a felicidade?

Quero falar um pouco sobre o que é felicidade para mim, para você, para o ser humano!

Abaixo compartilho um curta fantástico que precisa ser assistido por todos que estão buscando fugir da corrida dos ratos. Acho muito difícil saírmos totalmente da matrix (talvez os monges budistas consigam), mas é sempre bom refletirmos para não investir tempo e dinheiro em coisas equivocadas e que no fundo geram apenas frustrações.


Vendemos tempo por dinheiro para pagar contas e ainda tentar poupar para ter nossa liberdade financeira, ou mesmo uma independência total. Se pensarmos friamente, os dias de hoje não são muito diferentes da época da escravidão quando as pessoas eram obrigadas a trabalhar e alguns poucos conseguiam uma carta de alforria que lhe dava direito a liberdade. Para mim a IF (independência financeira) é a carta de alforria dos tempos modernos!

Mas isso é apenas um passo… O outro é a forma com que iremos usar e administrar o dinheiro conquistado e quais coisas iremos priorizar. Já experimentou assistir o Discovery Kids? As crianças estão sendo bombardeadas por propagandas de brinquedos a todo momento. Somos conduzidos e manipulados a consumir, consumir e consumir como se isso fosse nos trazer mais felicidade.

Após atingir a IF uma das perguntas mais difíceis que tive que responder: “De quanto terra preciso para ter uma boa vida?”. Se não tivesse me perguntado isso, estaria trabalhando para ter mais dinheiro e que não saberia exatamente para que finalidade usar. Precisei saber o que era suficiente para viver bem e consciente de que não seria comprando um jatinho, uma ferrari ou ter uma mansão com vários empregados. Ter consciência disso me ajudou a valorizar o que conquistei e até onde devo ir.

No dia em que as pessoas trocarem o ‘eu quero’ pelo ‘eu preciso’ elas vão ver. Porque, as vezes, estão atrás do que não precisam.” (esqueci aonde li isso)

Outro vídeo interessante é esse TED Talk com o pesquisador Robert Waldinger que fez um dos mais longos estudos até hoje sobre a felicidade (vídeo legendado):


E por último uma outra pesquisa que diferencia como pessoas com mais alta renda veem a felicidade em relação a pessoas financeiramente menos favorecidas:



sábado, 30 de dezembro de 2017

Carteira de criptomoedas para 2018

Fiz meu primeiro investimento em Bitcoin no fim de setembro de 2017 e de lá pra cá comecei a estudar mais sobre esse mundo: corretoras (exchanges), carteiras, gráficos, trade x hold e etc. É um ambiente um pouco hostil e certamente não está maduro o suficiente para ser absorvido pela população em geral. Acredito que será apenas questão de tempo (a internet também era um ambiente bastante técnico há 20 anos atrás).

Vi semelhanças com o mercado de ações tradicional (leitura de gráficos e padrões), bem como os ICO (Initial Coin Offerin) que é como um IPO para uma empresa que está abrindo capital na bolsa de valores. Nunca me interessei muito por ações e sempre que entrei perdi dinheiro por falta de conhecimento. O mercado é bastante manipulável com informações privilegiadas e isso prejudica os pequenos investidores. Li um comentário a respeito de Mercado de Ações versus Mercado de Criptomoedas e achei interessante:

"That stock game is for rich people. Crypto is for THE PEOPLE."

A medida que fui me especializando comecei a gostar de ler gráficos, candles, stop-loss e como a dinâmica de subida e descida dos gráficos funciona. Está surgindo um novo mercado diante dos nossos olhos e vai mudar tudo que conhecemos do mercado financeiro (como vimos em relação a Uber, Airbnb, Netflix nos últimos anos). As criptomoedas em geral surgiram depois do Bitcoin, que foi o percussor e podemos entender que muitas delas possuem propostas melhoradas seja em velocidade de transação, escalabilidade, custo, privacidade, etc.

Imagine cada altcoin (criptomoedas alternativas ao Bitcoin) como uma nova empresa que está surgindo e abrindo o capital na bolsa de valores. Elas divulgam seu lançamento e sua proposta de valor e liberam tokens para pessoas começarem a fazer uma espécie de pré-compra até que ela passe a ser vendida no "mercado secundário" ou nas famosas exchanges. Nesse momento uma altcoin que está sendo bastante falada e será lançada em meados de 2018 é a Crypterium que se especializou em tecnologias de pagamentos para bancos, empresas de cartão de crédito e etc.

Portfolio


Separei uma % do meus investimentos para entrar de vez nas "alts" e ser a minha exposição mais arriscada para fugir um pouco da renda fixa e apostar no crescimento durante o ano de 2018. A idéia não é ficar fazendo trade (comprando e vendendo) e sim segurar o máximo possível. Pretendo segurar essas alocações durante todo o ano para ver o que vai acontecer em dezembro de 2018... Espero ter uma boa surpresa!

Decidi dividir o valor de 1 BTC entre diversas altcoins com bom potencial, boas propostas e outras que estão com preços abaixo de 1 dolar. Abri uma planilha e dividi um share para cada uma delas como explico na imagem abaixo:


Carteira "ao vivo"


Disponibilizei o portfolio em real-time para acompanhar o resultado ao longo do ano... Foi muito curioso ver que em poucas horas "lucrei" 500 dólares e perdi minutos depois. Realmente é assustador um mercado que global 24hs que não dorme e que grande parte da compra e venda já é executada por computadores.

Por isso minha estratégia de segurar e acreditar que esse é o futuro do dinheiro...






sábado, 16 de dezembro de 2017

RENTABILIDADE PORTFÓLIO NOV/17 = R$ 37.888

Novembro foi um mês importante pois foi onde comecei a usufruir da IF e viver de renda! Estou acompanhando a carteira de perto para garantir que ela fique acima dos 4% aa e com isso continuar fazendo o dinheiro trabalhar ao longo do tempo.

Defini uma retirada mensal fixa de R$ 12.000 com as contas bem controladas e sem abrir mão de qualidade de vida (estou pensando em aumentar para 13k a partir de 2018 e mesmo assim estarei abaixo dos 4% de TSR).

Como tenho alguns investimentos em renda fixa com taxas pre-fixadas muito boas (acima de 18% aa) e que vencem apenas em 2019, tem segurado uma média boa ao longo dos meses. A rentabilidade liquida do mês ficou em 0,97% (tudo bem, bitcoin tem grande influencia nisso).

Os resultados no Itaú foram pouco expressivos (0,49%), no Safra andou de lado com uma pequena retração (-0,07%), na Easynvest (0,69%), XP (0,84%), Robôs investidores ainda não mostraram seu trabalho (-0,27%), e por fim o Bitcoin mostrando para todos como se faz com rentabilidade acima de 100%.



Observação:

A primeira linha "rentabilidade liquida" não tem aporte e é apenas fruto da rentabilidade. Na segunda linha é abatido o efeito da inflação, que em novembro deu uma retraída boa em relação a outubro. Na terceira linha temos a rentabilidade real que é a rentabilidade liquida menos a inflação. Na quarta linha (amarela) tem o valor da retirada mensal e por ultimo o saldo remanescente que é reinvestido.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Como o filme Clube da Luta pode ajuda-lo em sua jornada

Hoje (re)assisti o filme Clube da Luta de 1999, um clássico e aquele tipo de filme que você pode assisti-lo de duas maneiras: Como um filme de violência ou um filme onde as brigas são apenas um pano de fundo para uma mensagem mais nobre.

Quando adolescente eu assisti apenas como um filme de porradaria e hoje pude olhar com outros olhos numa época que não tinha maturidade para absorver.

Sem entrar no detalhe para não dar spoiler, o filme faz uma crítica social a respeito de quem essencialmente somos (ou em quem nos transformamos ao longo da vida) e que só seremos verdadeiramente livres quando estivermos livre de “coisas”.

Respeitando a licença poética do diretor, o filme leva isso ao pé da letra para apresentar a idéia. Claro que na prática você não precisa abrir mão de ter dinheiro, status ou um bom emprego. No fundo isso não te faz mais ou menos importante que outras pessoas, pois o seu verdadeiro “eu” é algo de dentro pra fora e não a partir das influências externas que muitas vezes podem estar contaminadas por marketing, por efeitos “da moda” ou por como a sociedade gostaria de vê-lo.

Um trecho muito f*da onde o protagonista (enquanto destrói uma loja de departamentos com computadores Apple *** isso deu pena) fala claramente...

  • Você não é o seu emprego.
  • Nem quanto dinheiro tem no banco.
  • Nem o carro que dirige.
  • Nem o que tem dentro da sua carteira.
  • Nem as malditas calças que veste.

Para mim isso bateu como um soco no meu estômago pois cada um dos pontos acima são itens que buscamos ao longa da vida, e incansavelmente buscamos um upgrade como uma corrida sem fim.

Recentemente tenho me incomodado com a maneira com que me visto. Mesmo não gostando de estampar marcas e dando preferência para roupas de cores mais discretas e minimalistas, tenho me sentindo um verdadeiro catalogo de marcas ou um outdoor humano.

Tênis da Adidas, calça Levi's, camiseta Lacoste, relógio da Apple, carro importado, tudo isso talvez para encontrar o meu “eu” a partir de um lifestyle construído pelas empresas de publicidade. Eu tenho flertado com a matrix, mas felizmente estou ciente disso e tento fazê-lo com os pés no chão para não colocar tudo a perder. Mas isso quando se torna um excesso ou o consumo passa a não ser necessário me gera um grande incomodo.

Se de alguma forma você se identificou com tudo isso e também quiser levar um soco na cara, assista Clube da Luta!

domingo, 19 de novembro de 2017

Minha experiência com Bitcoin (chegando a 1 BTC)

Tenho conhecimento técnico de internet a muitos anos e já ouvia falar de Bitcoin nos primórdios, porém fazia algum tempo que não dava aquela curiosidade característica de um nerd "early adoptor". Esse foi um custo de oportunidade alto pois é impressionante o crescimento do Bitcoin, principalmente em 2017.

Existe um lado meu que vê de forma cética e outro que consegue enxergar a proposta desruptiva da moeda. Durante uns 3 meses fiquei observando a dinamica e assinstindo alguns vídeos no Youtube. Assinei o canal do Fernando Ulrich e li alguns textos para entender como funcionava: Comprar/vender através de uma Exchance, Possibilidade de mover para uma wallet para "guardar" em segurança e todas as outras possibilidades (trade, etc).

Há cerca de 2 meses decidi experimentar e até o momento as coisas estão indo bem. No final de setembro consegui comprar por de USD 3.800 (R$ 5.000,00) e em seguida começou a evoluir rumo aos USD 7.000, chegando aos  USD 7.800 e depois caindo para USD 7.200. Enxerguei essa queda como uma oportunidade de compra e peguei mais R$ 10.000,00 por esse preço já que meu objetivo era ter pelo menos 1 BTC. E para mostrar que nada nesse mercado é previsível, no dia seguinte após minha compra a USD 7200 ele cai para USD 5800. Precisa ter estomago! Mas olhei novamente como uma oportunidade e fui comprar mais para atingir minha meta de ter 1BTC. Como era num fim de semana, precisava esperar a segunda feira para fazer um TED para a Exchange (nem precisa falar  porque o Bitcoin está causando no mercado financeiro mundial já que é 24hrs). Consegui na segunda levar para a Exchange e infelizmente aquela baixa já estava em USD 6.400 e três dias depois já tinha subido novamente para casa dos US$ 7.200.

Estou gostando dessa brincadeira e é aquela máxima... Só invista em BTC aquilo que você está disposto a perder. Eu não invisto em BTC por expeculação mas sim pelo futuro promissor e disruptivo! Tudo é uma questão ideológica e estou confortável com esse movimento.



Foram investidos cerca de R$ 21.000,00 para a aquisição de 1 BTC e no momento esta cotação está em R$ 24.700. Um bom começo!


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

RENTABILIDADE PORTFÓLIO OUT/17 = R$ 26.327

Esse é o primeiro post de atualização financeira do portfolio, iniciando em Outubro de 2017 com um histório dos três últimos meses.

A partir de novembro de 2017 começou a "retirada passiva" (vivendo de renda) já que abri mão do meu trabalho para viver com a rentabilidade dos investimentos (e o valor será lançado na linha de fundo amarelo).

Em outubro tive um resultado ruim de três lados: Os fundos multimercado não perfomaram bem, grande parte por incertezas no cenário político, a queda da SELIC nos últimos meses está puxando para baixo a rentabildiade liquida, e por último o IPCA que foi de 0,42% em outubro, que é um valor alto se comparado com os últimos meses.

Espero que em novembro possa pelo menos voltar ao resultado de agosto/setembro.




Estratégia para viver viajando após a independência financeira

Moro numa grande capital do Brasil e recentemente comecei um mochilão sozinho pelo país (devo falar mais sobre essa experiencia em outras op...